É PRECISO DEVOLVER À INFÂNCIA E À JUVENTUDE SEUS DIREITOS FUNDAMENTAIS

Por Sóstenes Brasileiro de Oliveira, diretor geral da Fundação Gol de Letra

Quando 20 anos atrás os casais Raí e Cristina, Leonardo e Beatriz decidiram agir em favor de famílias de comunidades com poucos recursos, de crianças com baixa perspectiva de realização pessoal e em favor de jovens sem oportunidades, eles não sabiam exatamente o que iriam encontrar. Não sabiam o tamanho da encrenca!

Quando 20 anos atrás eles decidiram que queriam atuar na ponta do problema – ou dos problemas – eles fizeram a opção por um projeto social que é transformador para quem é favorecido, mas é também transformador para quem favorece. E aí está, talvez, sua maior riqueza.

Se 20 anos atrás alguém dissesse que em 2018 a Gol de Letra estaria atendendo 4.600 crianças, adolescentes e jovens, talvez houvesse pânico nesses casais.

No dia a dia, o que nós percebemos é que ter essas pessoas conhecidas e reconhecidas por sua integridade e altruísmo liderando esse projeto, traz um componente interessantíssimo de confiança nos dois lados da equação perfeita: o lado dos que precisam e o lado dos que se dispõem a ajudar.

O UNICEF (Fundo das Nações Unidas para a Infância) lançou em agosto último um trabalho chamado “Pobreza na Infância e na Adolescência[1]”, baseado na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) de 2015.

Os resultados da pesquisa mostram que a pobreza monetária na infância e na adolescência foi reduzida no Brasil na última década, mas as múltiplas privações a que meninas e meninos estão sujeitos não diminuíram em igual proporção.

Ainda assim, no Brasil, mais de 18 milhões de crianças e adolescentes (34,3% do total) vivem em domicílios com renda per capita insuficiente para adquirir uma cesta básica de bens – famílias com menos de R$ 346,00 per capita por mês na zona urbana e R$ 269,00 na zona rural.

Mas a pobreza na infância e na adolescência é ainda maior. Isso porque, para entender a pobreza, é preciso ir além da renda e analisar se meninas e meninos têm seus direitos fundamentais garantidos: Saneamento, Educação, Água, Acesso à Informação, Moradia e Proteção contra Trabalho Infantil.

Quase 27 milhões de crianças e adolescentes (49,7% do total) têm um ou mais direitos negados. Os mais afetados são meninas e meninos negros, vivendo em famílias pobres monetariamente.

O MAPA DA VIOLÊNCIA

Além disso, temos o Mapa da Violência 2016 – Homicídios por armas de fogo no Brasil[2], uma série de estudos publicados desde 1998, inicialmente com apoio da Unesco, do Instituto Ayrton Senna e da Faculdade Latino Americana de Ciências Sociais (FLACSO Brasil), entre outras entidades, e, mais recentemente, publicados pelo governo brasileiro, sob a responsabilidade do sociólogo Julio Jacobo Waiselfiz.

Diante dos dados que apresenta, a publicação também pode ser vista como o “Mapa da Intolerância”, e dá pistas de onde se processam os principais canais de desigualdade instalados entre nós. O estudo mostra, entre outras coisas, que:

– Nossa taxa de 4,8 homicídios por 100 mil mulheres nos coloca na 5ª posição internacional, entre 83 países do mundo.

– Por outro lado, na comparação com 85 países analisados, o Brasil ocupa o 3º lugar em relação à taxa de homicídios de adolescentes de 15 a 19 anos. Com o índice de 54,9 homicídios para cada 100 mil jovens nessa faixa etária, o país é superado apenas por México e El Salvador.

Os homicídios são hoje a principal causa de morte de jovens de 15 a 29 anos no Brasil, e atingem especialmente jovens negros do sexo masculino, moradores das periferias e áreas metropolitanas dos centros urbanos.

São números fortes, desagradáveis, mas lembrá-los é importante. É importante para destacar a urgência de se trabalhar com o fortalecimento dessas comunidades, as mais atingidas pelos desequilíbrios socioculturais que estão no seio de um país que ainda anda de lado no seu processo civilizatório, de respeito aos direitos humanos.

A Fundação Gol de Letra se propõe não só a fortalecer essas comunidades através de um projeto efetivo com adolescentes, jovens e suas famílias, mas também multiplicar seu aprendizado cotidiano, realizando parcerias que disseminem boas práticas a outras comunidades, para que, assim, nossa proposta de transformação social possa reverberar para mais e mais pessoas.


[1] UNICEF Brasil, Pobreza na Adolescência e na Infância. 2018. Disponível em: . Acesso em: 02 set. 2018.

[2] WAISELFISZ, Julio Jacobo. Mapa da Violência 2016: Homicídios por armas de fogo no Brasil. 2016. Disponível em: . Acesso em: 02 set. 2018.

Quer contribuir com o nosso trabalho? Seja um(a) Sócio(a) Titular e ajude a fortalecer os nossos programas: www.goldeletra.org.br/doe

Download WordPress Themes
Premium WordPress Themes Download
Download WordPress Themes Free
Download Nulled WordPress Themes
udemy course download free
download karbonn firmware
Download Premium WordPress Themes Free
free online course