Desafios e Luta: A Importância da Celebração do Orgulho LGBTI+ no Brasil

Por Céu Câmara – Estagiária de Serviço Social

No mês de junho se celebra o orgulho LGBTI+, que, para além de uma comemoração, é um importante marco histórico na luta política contra a discriminação e o preconceito que esta população sofre diariamente no nosso país.

O Brasil continua sendo o país que mais mata pessoas LGBTI+ [FP1] no mundo[1]. No ano de 2022, foram mais de 250 casos notificados. Isto nos acende um alerta importante: nosso país não acolhe a diversidade humana, pelo contrário, é bastante hostil a ela, apesar de a constituição brasileira preconizar o “bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação” (Constituição Federal de 1988).

Esta realidade é ainda mais cruel se considerarmos a população Trans e Travesti. De acordo a Associação Nacional de Travestis e Transexuais (Antra), ano passado “tivemos pelo menos 131 assassinatos de pessoas trans, sendo 130 travestis e mulheres transexuais e 1homem trans/pessoa transmasculina” (ANTRA, 2023). Este dado é alarmante e, infelizmente, perpetua há quatorze anos consecutivos o título brasileiro de país que mais mata pessoas trans [2]. Além dessa brutalidade, no conjunto das relações sociais, diversos direitos são negados a pessoas trans e travestis como: acesso à cidadania por meio da documentação básica de acordo com a identidade de gênero; acesso aos direitos em saúde e assistência social; acesso à escolarização básica e à educação superior; acesso à oportunidade no mercado formal de trabalho, restando atividades precárias e de pouco retorno financeiro; acesso à segurança pública; dentre outros inacessos.

A Fundação Gol de Letra acredita que a construção de uma sociedade mais igualitária e justa parte da luta pela ampliação dos direitos e da cidadania de grupos historicamente marginalizados, como a população LGBTI+. Dessa forma, entendemos que é importante sempre levar em conta a diversidade nas nossas ações institucionais, tanto interna, quanto externamente. O respeito, a dignidade e a defesa dos direitos humanos são valores inegociáveis. Compondo a rede socioassistencial do Caju, nossa diretriz sempre será a da proteção social.

Nesta direção, unindo práticas educacionais e de assistência social, buscamos defender, garantir e promover os direitos de pessoas LGBTI+. Atuamos pela viabilização de acessos, de permanências, e de contribuições junto aos percursos e trajetórias dessa população. Afinal, consideramos ser justa toda forma de amar, de ser e de existir em sociedade. Este é um direito de todes.


[1] https://agenciaaids.com.br/noticia/brasil-continua-sendo-o-pais-que-mais-mata-pessoas-lgbts-no-mundo-revela-estudo-do-grupo-gay-da-bahia/

[2] https://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2023/01/26/mortes-pessoas-trans-brasil-2022.htm


Foto: Freepik

Download WordPress Themes Free
Download Nulled WordPress Themes
Premium WordPress Themes Download
Premium WordPress Themes Download
online free course
download mobile firmware
Download Nulled WordPress Themes
free download udemy paid course