Gol de Letra fecha parceria com Comitê Paralímpico Brasileiro

A Fundação Gol de Letra dedicou boa parte do mês de agosto e setembro às atividades paralímpicas, em alusão aos Jogos Paralímpicos de Tóquio 2020. Nossos atletas trouxeram 72 medalhas para o Brasil e levaram  o país ao sétimo lugar no ranking mundial.

A experiência foi tão boa que a Gol de Letra pretende dar continuidade às atividades paralímpicas para além dos jogos, a cada quatro anos. No último dia 8 de setembro, a Fundação recebeu o coordenador do programa Educação Paralímpica Brasileira e membro do Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB), David Farias Costa, para oficializar uma parceria com o CPB.

“O nosso sonho, num cenário ideal, é poder oferecer pelo menos uma modalidade paralímpica na nossa grade de atividades, para atender à população PCD da Vila Albertina”, explica Eduardo Brunello, analista do Programa Jogo Aberto na Vila.

David, que tem deficiência visual congênita, é pedagogo e ex-paratleta profissional, falou da parceria. “Precisamos ser transformadores. Quem não veio para servir, não serve para viver. O acolhimento e o afeto é o que nos move, é isso que a população PCD quer”.

Ele conheceu o centro esportivo da Fundação na Vila Albertina, o Núcleo de Esporte e Desenvolvimento (NED), avaliou o espaço e deu dicas de adaptação da quadra para alguns esportes paralímpicos.

Mas isso é conversa para o futuro. A princípio, a parceria com o Comitê pretende tratar da formação em modalidades paralímpicas para a equipe de educadores da Gol de Letra e também para os monitores esportivos, que são jovens líderes da comunidade. “O começo é fazer o curso de movimento paralímpico, que pode ser feito por qualquer pessoa. É um curso básico que contempla a história do desporte paralímpico, políticas públicas para PCDs e algumas modalidades esportivas adaptadas”, explica David.

Cursos mais avançados também estão no radar – estes apenas para a equipe de profissionais de educação física da Fundação, pois tratam da classificação e elegibilidade de paratletas e habilitação técnica específica em cada modalidade paralímpica.

Também foi discutida a possibilidade de se trazer profissionais do CPB para realizar oficinas práticas com a equipe da instituição e de escolas parceiras onde a Fundação atua, além de levar a equipe do Lazer na Vila até as atividades do CPB nos fins de semana para vivências esportivas adaptadas.

A Gol de Letra trabalha atualmente e já trabalhou no passado com uma amostra diversa de atendidos PCD. São Crianças dentro do aspecto autista, com nanismo, surdez e cadeirantes que praticam atividades entre as modalidades esportivas tradicionais. “São poucos, mas sabemos que a Vila Albertina tem mais pessoas com deficiência que poderiam ser atendidas pelas nossas atividades, e queremos nos capacitar para recebe-los da melhor forma”, complementa Eduardo.

Download Best WordPress Themes Free Download
Download Premium WordPress Themes Free
Free Download WordPress Themes
Free Download WordPress Themes
udemy paid course free download
download lenevo firmware
Download Premium WordPress Themes Free
free download udemy paid course