Fortalecendo mães-solo: o compromisso da Gol de Letra

O trabalho com famílias monoparentais-maternas, aquelas compostas pela mãe e filhos, não é uma tarefa nova na Fundação Gol de Letra. Cotidianamente, toda a equipe, desde os programas de infância e adolescência, até o de juventude e comunidade, precisa pensar estratégias para identificar e atuar sobre as demandas sociais dessas famílias no sentido de viabilizar seu acesso a direitos e à proteção social.

No Brasil, atualmente, são 11 milhões de famílias que têm mulheres-mães como as únicas responsáveis pelo cuidado e pela subsistência dos filhos. A maioria desses grupos familiares é negra e vive abaixo da linha da pobreza. E, realmente, a responsabilização unilateral de mulheres à maternagem impõe inúmeros obstáculos às famílias monoparentais-maternas em garantir os mínimos para sua subsistência, limitando as alternativas concretas para alcançar melhores condições de vida e novas perspectivas de futuro para si e seus filhos – como a qualificação profissional, a universidade, determinadas vagas de emprego, dentre muitos outros espaços que tornam distantes a possibilidade de permanência de mães-solo.

Esta realidade, aliada à ausência de políticas públicas efetivas no suporte ao cuidado – como vagas de creches e escolas em horário integral, por exemplo –, geram nas mães-solo consequências não só econômicas e sociais no cotidiano das famílias, mas também consequências de ordem subjetiva, sendo o acúmulo das inúmeras pressões e opressões vivenciadas por mães na sociedade um gerador de sofrimento psíquico em potencial. Nessa direção, o Serviço Social da Gol de Letra, em vias de responder com qualidade as demandas de mães-solo e seus filhos, precisa intervir de forma criativa, crítica e competente para viabilizar acesso a direitos.

A turma de 2023 do Pré-ENEM Gol de Letra, majoritariamente feminina, possui cinco mães-solo e suas crianças participando das aulas do preparatório todos os dias, das 18h00 até às 21h30. Foi necessário, portanto, que o Serviço Social mobilizasse a criação de estratégias institucionais que qualificassem a continuidade dessas mães e de seus filhos no preparatório, levando em conta sua saúde mental, suas condições concretas de sobrevivência, e a compreensão crítica da sua realidade social.

A atuação na realidade dessas mães implicou uma articulação imediata entre o Programa Juventude e Oportunidade e o Programa Jogo Aberto Caju. O Serviço Social de ambos os programas, identificando a demanda em seus atendimentos e considerando o trabalho já realizado junto a mães-solo em outros anos, articulou junto à gestão, respostas qualificadas e associadas à realidade particular das famílias.

Além da inserção das crianças e adolescentes nos programas da infância em horário concomitante às aulas, o Serviço Social preparou kits de aprendizagem para os pequenos utilizarem enquanto estiverem na instituição, com materiais didáticos, recreativos, e literários, como, por exemplo, o livro Gol de Letrinhas 15, que conta com poesias e desenhos feitos por e para as crianças.

A equipe também realizou atendimentos sociais para reconhecimento e estabelecimento de redes de cuidado em potencial e, para identificação dos impactos emocionais e subjetivos das mães-solo em relação tanto à presença dos filhos em sala, como em relação aos desafios cotidianos os quais famílias monoparentais-maternas atravessam.

Ainda, as assistentes sociais realizaram intervenções nas turmas para estabelecimento de redes de solidariedade entre o coletivo, incluindo atividades formativas sobre mulheridade, trabalho reprodutivo não-remunerado e realidade de mães-solo no Brasil, bem como a retomada de trabalho de grupo com mulheres e mulheres-mães – este ano, com apoio da Biblioteca Feminista da Praia Vermelha, projeto de extensão da Escola de Serviço Social da UFRJ.

Intentamos de forma coletiva e, em rede, atuar sobre a permanência qualitativa das mães-solo na turma do Pré-ENEM, oportunizando possibilidades maiores de sucesso no acesso à universidade. Sabemos que a realidade é temerosa para mães-solo no Brasil, e a universidade, como muitos outros espaços da sociedade, não é acolhedora para a maternidade e cria obstáculos para sua permanência. Entretanto, por meio do trabalho coletivo, temos convicção que existem condições concretas de contribuir com os percursos singulares dessas famílias.  

Assim, entendemos que o desejo dessas mães em alcançar melhores condições de vida, que, no caso do Pré-ENEM, é mediado pelo acesso ao ensino superior, deve ter apoio efetivo da instituição, viabilizando tanto a possibilidade de uma vaga na universidade, como também que este acesso seja politizado e consciente dos desafios que as aguardam. Afinal, parafraseando Edenice Fraga, ” lugar de mãe-solo é onde ela que estar”.

Autores: Silvia Maria e Matheus de Paula (assistentes sociais)

Revisão: Crislaine Lima e Karina Avelar

Premium WordPress Themes Download
Free Download WordPress Themes
Premium WordPress Themes Download
Download WordPress Themes Free
udemy course download free
download lenevo firmware
Download WordPress Themes Free
lynda course free download